terça-feira, 29 de março de 2016

Janela Incomoda

Com a janela aberta a imaginação transgride
E deixa livre a liberdade que quer ser livre
Amando o amor com um amor indecente 

Pelas paredes da casa as ruas silenciosas testemunham
E deixam amenizadas as mais frívolas e loucas memórias 
Sorrindo sorrisos que olhares despercebidos despercebem 

Um luz que deixa o rastro do impossível
Um impossível que busca uma luz
Luzes impossíveis de conviver